UFMBB

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Página inicial Artigos A voz do povo (não) é a voz de Deus

A voz do povo (não) é a voz de Deus

E-mail Imprimir
  

Há um jovem na Bíblia que era bonito, talentoso, charmoso e inexperiente que foi escolhido para ser o líder de um país. Infelizmente, ele tornou-se exemplo de um líder que só sabia liderar escutando a voz do povo, tentando ganhar a aprovação das multidões. Para conseguir a popularidade tão desejada, ele adotou atitudes que contrariavam a vontade de Deus. Ele nos ensina como um líder inseguro se torna um líder incompetente. Ele foi o primeiro rei de Israel, e o nome dele era Saul. De tanto ouvir a voz do povo, Saul não pôde ouvir a voz de Deus. Em vez de ser um líder triunfante, tornou-se um líder trágico.

 

Quem era Saul?

 

Lendo 1Samuel 9.1-2, descobrimos que ele era filho de um homem rico e respeitado. Saul era bonito, alto e de destaque. Deus não escolheu Saul para fracassar. Deus tinha um plano para a liderança dele. Primeiramente, ele foi ungido numa cerimônia particular entre Samuel e Saul. O interessante é que a primeira vez que Samuel revela a escolha de Saul para ser o rei, a reação de Saul é de “aparente” humildade: “Acaso não sou eu um benjamita, da menor das tribos de Israel, não é o meu clã o mais insignificante de todos os clãs da tribo de Benjamim?” (1Sm 9.21). Como os acontecimentos futuros revelarão, isso não era humildade, e sim insegurança. Saul acha que ele precisa de um “pedigree” para ser líder. Ele não entende que a qualificação mais importante para ser líder é ser escolhido por Deus, e infelizmente Saul nunca vai enxergar esta realidade. Ele procura, dentro de si mesmo, a qualificação para ser rei, sem se dar conta de que ninguém é competente por si mesmo para ser um líder espiritual!

 

Mais tarde, Samuel convocou a nação a Mispá para anunciar a escolha de Deus. Quando Samuel finalmente pronunciou o nome de Saul, após bastante suspense, ninguém conseguiu achar o homem. Em 1Samuel 10.21-23 encontramos o homem escondido atrás da bagagem. Este homem grande não foi nenhum grande homem. Ele demonstrou ter as sementinhas da covardia. Ele estava morrendo de medo de não ser aceito, porque ele era benjamita. Ele tinha muito mais medo de ser rejeitado pelo povo do que confiança em Deus. Ele não queria ser rejeitado, ele não queria fracassar, e isso acabou minando sua capacidade de confiar em Deus. O medo de ser rejeitado pelo povo não deixou lugar para obediência a Deus.

 

Sabe qual foi o primeiro ato de Saul depois de ser escolhido rei de Israel? Ele voltou para casa para cuidar do gado! Ele não agiu como um rei. Quando alguns homens rejeitaram a liderança de Saul (1Sm 10.27), ele não fez absolutamente nada para defender o papel do rei. Ele ficou calado. Isso não revelou humildade nem paciência, mas demonstrou que ele não se via como o rei poderoso, escolhido por Deus.

 

O Primeiro Fracasso

 

No segundo ano de seu reinado, Saul estava em guerra contra os filisteus. Samuel tinha dado instruções a Saul para esperar sete dias em Gilgal, porque ele viria oferecer um sacrifício ao Senhor. Saul ficou nervoso porque no sétimo dia, Samuel não apareceu, e os soldados, morrendo de medo, começaram a se dispersar. Saul sentiu medo também, e por isso ele mesmo ofereceu os sacrifícios. Ele, motivado pelo medo, desobedeceu ao Senhor, como está escrito (1Sm 13.8-14).

 

Ao ler este episódio, você pensou que o castigo foi muito duro para o “errinho” de oferecer um sacrifício ao Senhor? Isso não demonstra piedade da parte de Saul? Não; porque assim Saul desobedeceu a uma ordem clara de Deus. Por quê? Porque ele tinha medo de ficar sozinho. Um líder de Deus NUNCA pode ter medo de ficar sozinho com Deus, desafiando, se for necessário, a multidão.

 

Saul estava cheio de desculpas, não querendo admitir seu erro: “O povo se espalhava... tu não vinhas... os filisteus estavam se aproximando... eu precisava da orientação de Deus... eu não tinha outra opção!” Ele ursurpou a função de profeta/sacerdote para conseguir o apoio dos soldados, mas este fim não justificava o meio. Este episódio me lembra o pastor que mandava entregar o material de construção à noite, porque ele comprava tudo sem nota fiscal. Será que essa era a liderança que Deus desejava? Cuidado com líderes que desobedecem às leis de Deus para “avançar” o Reino!Saul disse que ele foi obrigado a desobedecer a Deus pela pressão do povo, mas é claro que ele tinha outra opção!

 

Vendo Amigos como Inimigos

 

Podemos ver que devido à obsessão de Saul de ser aceito, ele ficou emocionalmente vulnerável, em especial à inveja. Sem a segurança da bênção do Senhor, ele começa a desconfiar de todo mundo. A primeira vítima foi seu próprio filho. Saul, durante uma batalha, deu a ordem: “Maldito o homem que comer pão antes de anoitecer, para que me vingue de meus inimigos.” (1Sm 14.24). Ninguém entendeu bem esta ordem, e seu próprio filho não estava presente quando foi dada. Não sabendo do voto do pai, ele comeu mel, que achou no chão. Quando Saul soube, ele ameaçou matar o filho. No final, Jônatas foi salvo pelos soldados. Saul não teve a coragem de admitir que ele estava errado. Ele simplesmente cedeu, mais uma vez, à vontade de povo.

 

Lendo a história, quase parece que isto foi feito de próposito para ele ficar livre do novo herói, seu filho Jônatas. Saul criava seus próprios inimigos, e o primeiro foi Jônatas. Todos nós sabemos como ele perseguiu a Davi depois. Quando estamos em inimizade com Deus, quando nossa liderança não é dEle, o resultado é esse. Pessoas, mesmo amigos íntimos, viram ameaças ou até inimigos. Mais uma vez vemos que o líder inseguro torna-se um líder incompetente!

 

Rejeição Total

 

Saul conseguiu uma rejeição total por parte de Deus, devido a um ato de desobediência flagrante. Deus, através de Samuel, deu instruções específicas a Saul (1Sm 15.3). Mas o que Saul fez? Veja 1Sm 15.9. Por que esta desobediência? Não sei, exatamente, mas ele mesmo confessou: “Tive medo dos soldados e os atendi” (1Sm 15.24).

 

Sempre carente de aceitação, um pouco antes deste episódio, Saul tinha construído um monumento a si mesmo (1Sm 15.12) . Como Saul queria ser adulado e admirado! Pode ter certeza, quando o líder começa a construir “memoriais”, ele tem muita fome de aceitação.

 

Ao chegar ao Carmelo, Samuel percebe a desobediência de Saul e dá uma chance para Saul confessar. Saul, de novo, não se mostra um bom líder, muito menos um rei poderoso, e ele culpa seus soldados, como se ele não tivesse responsabilidade alguma para com seus liderados! Ele tem a coragem de insistir que ele não fez nada errado, que ele obedeceu ao Senhor (1Sm 15.13, 20)!

 

Quando leio as palavras de Samuel a Saul, fico arrepiada. Meu coração cai, e imagino como Saul se sentiu: “Acaso tem o Senhor tanto prazer em holocautos e em sacrifícios quanto em que se obedeça à sua palavra? … Pois a rebeldia é como o pecado da feitiçaria, e a arrogância como o mal da idolatria. Assim como você rejeitou a palavra do Senhor, ele o rejeitou como rei” (1Sm 15.22, 23).

 

Parece que Saul acordou e começou a pedir perdão. Infelizmente, o resto da vida de Saul demonstra que, de fato, ele não se arrependeu, porque ele não mudou de trajeto. De fato, ele ficou mais e mais longe dos planos de Deus para sua liderança. O plano de Deus foi para Saul ser um grande rei. O plano de Saul foi outro, e Deus não pode usar líderes assim. Saul continuou como rei – mas sem a aprovação ou bênção do Senhor. O resultado foi que viveu todos os seus dias cheio de ciúmes, inveja, suspeitas, intriga, raiva e solidão.

 

Perdendo as Rédeas

 

Quando o gigante Golias estava desafiando o povo, por que o rei não aceitou o desafio? Nunca ouvimos uma explicação por que ele não lutou contra Golias, mas 1Samuel 17.11 diz que Saul estava apavorado. Quem não tem uma base sólida (Deus) na liderança, não pode arriscar nada.Davi, o escolhido de Deus, arriscou tudo! Com Deus ao seu lado, ele não tinha nada a perder. Eu acho que Saul reconheceu que Davi tinha o que faltava em sua vida. Não é verdade que temos mais inveja das pessoas que possuem o que nós não temos? Saul faz de tudo para destruir Davi, especialmente após ouvir a música das mulheres: “Saul matou milhares, e Davi dezenas de milhares” (1Sm 18.7). Para um homem que precisava de popularidade e aceitação, isso tinha que ser uma punhalada nas costas! Um líder inseguro sofre demais com a popularidade de outro líder. Nunca poderia ecoar as palavras de João, o Batista, “Eu preciso diminuir para ele crescer”.

 

Saul ficou mais e mais longe da realidade, como acontece quando estamos longe da única coisa real neste universo, Deus. Ele não tinha alicerce emocional e acabou desequilibrado. A prova disso é a história de 1Samuel 28.3-20. Saul, o líder escolhido por Deus, consultou uma médium para tentar ganhar uma batalha. Você pode imaginar seu pastor indo a um terreiro de macumba? Seria a mesma coisa. A gente vê claramente o desespero de um homem perdido. As médiuns eram tão repugnantes, que ele mesmo as tinha expulsado do país. Vitória a qualquer preço foi o lema de Saul. Aliás, qualquer preço menos submissão total a Deus. Vitória a qualquer preço, menos a rejeição pelo povo.

 

Saul acabou perdendo sua última batalha, seu reino, seu filho e sua própria vida. Em seu último ato de covardia, ele se matou (1Sm 31.1-4). Ele temia ser capturado pelos filisteus. Interessante, porque os filisteus só chegaram no dia seguinte. Saul tinha chance de fugir ou ser removido antes da chegada dos inimigos, mas ele não pôde esperar! Nem na hora da morte, ele foi capaz de reconhecer a soberania de Deus. Que teimosia! Saul perdeu tudo. Ele fracassou totalmente. Ele, que queria ser herói aclamado nos braços do povo, acabou com seu corpo pendurado no muro da cidade de Bete-Seã e sua cabeça no templo do ídolo Dagom (1Cr 10.10). Que fim trágico para um homem escolhido o primeiro rei de Israel!

 

Se o Salmo 111.10 nos ensina que o “temor do Senhor é o princípio de sabedoria”, então Saul nos ensina que “o temor à opinião do povo é o princípio da insensatez”! Que todos os nossos líderes possam liderar obedecendo a Deuteronômio 10.12: “E, agora, ó Isreal, que é que o Senhor, o seu Deus, lhe pede, senão que tema o Senhor, o seu Deus, que ande em todos os seus caminhos, que o ame e que sirva ao Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração e toda a sua alma”!

 

Peggy Smith Fonseca, RJ

Educadora

 
Banner

Proposta Educacional UFMBB

Revistas do trimestre










BLOGS UFMBB

Banner

Tema da CBB